Open Conference Systems, 16th SGBED & XII ESPM International Conference in Management

Font Size: 
UM NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO NA PESQUISA INDUSTRIAL BRASILEIRA: O CASO EMBRAPII
Sandro Freitas Nascimento

Last modified: 2019-03-25

Abstract


Este trabalho foi desenvolvido pela. Com o objetivo de obter informações sobre a análise de desempenho das aplicações tecnológicas geradas nas empresas que fazem parte de uma parceria com o Polo de Inovação ligado ao Instituto Federal de Educação Profissional. Para tanto, utiliza-se como referencial a Teoria Institucional e a Teoria Evolucionista da Inovação. A pesquisa é uma pesquisa qualitativa, uma coleta de dados foi realizada por meio de uma pesquisa semi-estruturada, a primeira com gestor do polo foi realizada, depois com o pesquisador a cargo dos projetos e finalmente com o representante da empresa parceira. As provas de resultados que os entrevistados são unânimes têm a ver com a importância do modelo de ampliação das capacidades tecnológicas da empresa e da melhoria do seu desempenho.

Keywords


Capacidade tecnológica; Inovação; Embrapii.

References


BELL, M. (1982). Technical change in infant industries: a rewiew of the empirical evidence. SPRU, University of Sussex, mimeo.

 

_____, (1984). Learning and the accumulation of industrial technological capacity in developing countries. In : King, K; Fransman, M. (Ed.). Technological capability in the third world. London: Macmilan.

 

_____; PAVITT, K. (1993). Technological accumulation and industrial growth: contrasts between developed and developing countries. Industrial corporate Change, v.2, n.2, p. 157-211.

BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

______. Lei n. 11.196, de 21 de novembro de 2005. BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos fiscais para a inovação tecnológica. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

 

DAHLMAN, C; ROSS-LARSON, B .; WESTPHAL, LE (1987). “Gestão do desenvolvimento tecnológico: lições dos países recentemente industrializados”, em World Development, v.15, n.6.

 

______; WESTPHAL, L. (1982). “Esforço Tecnológico no Desenvolvimento Industrial: uma Pesquisa Interpretativa de Pesquisas Recentes”, em Stewart, F .; James, J. (orgs.) A Economia da Nova Tecnologia nos Países em Desenvolvimento, Londres: Frances Pinter.

 

DEEPHOUSE, DL, & SUCHMAN, MC (2008) Legitimidade no institucionalismo organizacional. Em R. Greenwood, C. Oliver, K. Sahlin, & R. Suddaby (Eds.), O manual de SAGE do institucionalismo organizacional: 49-77. Oxford UK: Sage.

DIMAGGIO, PJ (1988). Interesse e agência na teoria institucional. Em LG Zucker (Ed.), Padrões e organizações institucionais: Cultura e meio ambiente: 3-21. Cambridge, MA: Ballinger.

DIMAGGIO PJ e POWELL WW, (1983). "A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais". American Sociological Review 48: 147-160, 1983.

DOSI, G. (1988). A natureza do processo inovador. Em DOSI, G. et al. (Ed) Mudança Técnica e Teoria Econômica. Londres: Pinter Publishers.

 

EMBRAPII Disponível em: < https://embrapii.org.br/ //>. Acesso em: 12 de dezembro de 2018.

FIGUEIREDO, P.N. (2001). Technological learning and competitive performance. Cheltenham, UK, Northampton, USA: Edward Elgar._____. (2003). Aprendizagem tecnológica e performance competitiva. Programa de pesquisa e aprendizagem tecnológica e Inovação Industrial. Revista de administração pública, v.3, n.2, p 323-361._____. (2004). Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em emergentes: uma breve pesquisa para o desenho e implantação para os estudos empíricos e estratégicos no Brasil. Tradução de Luiz Alberto Monjardim, do Rio de Janeiro, FGV.

______. (2015). Gestão da Inovação: Conceitos, métricas e experiências de empresas no Brasil, 2ed. Rio de Janeiro: LTC.

FREEMAN, C. (1987). Política de tecnologia e desempenho econômico: lições do Japão. Londres / Nova York: Pinter Publishers.

 

GIL, AC (1999). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5 ed. São Paulo: Atlas.

 

KATZ, J. (1976). Importação de Tecnologia, Aprendizagem e Industrialização Dependência, México: Fundo de Cultura Económica.

 

_______. (1985). Inovações Tecnológicas Domésticas e Vantagens Comparativas Dinâmicas: Reflexões Adicionais sobre um Programa Comparativo de Caso, em Rosenberg, N; Frischtak, C. (orgs.), Transferência Internacional de Tecnologia: Conceitos, Medidas e Comparações, Nova York: Praeger.

 

LALL, S. (1987). Aprendendo a industrializar: uma capacidade de capacidade tecnológica da Índia, Londres: Macmillan.

MATHEWS, J.A. (2002). Competitive Advantages of the Latecomer Firm: A Resource-Based Account of Industrial Catch-Up Strategies. Asia Pacific Journal of Management.

MAY, T. (2004). Pesquisa social: questões, métodos e processos. Porto Alegre: Artmed.

 

MINAYO, MCS (2001). (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes.

 

NELSON, RR; WINTER, SG (1982). Uma teoria evolutiva da economia. Cambridge, Mass: Imprensa Belknap Press da Harvard University.

 

PAVITT, K. (1990). O que é sobre a gestão da tecnologia. California Management Review, v.32, n.2, 17-26.

 

PENROSE, ET (1959). A teoria do crescimento da empresa, Oxford: Basil Blackwell.

 

ROSENBERG, N. (1993). Dentro da caixa preta: tecnologia e economia. Londres: Cambridge University Press.

SCHUMPETER, JA (1947). Capitalismo, socialismo e democracia. 2. ed. Nova York / Londres: Harper.

SCOTT, WR (1995). Instituições e Organizações. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

_____. SCOTT, WR (2001). Instituições e Organizações, 2ª ed. Sage: Thousand Oaks, CA.

SIMON, H. (1947). Comportamento administrativo. Nova Iorque, MacMillan.

TEECE, DJ (2007). O papel dos gestores, dos empresários e dos literatos sem capacidade empresarial e sem crescimento econômico. Revista Internacional de Aprendizagem Tcnológica, Inovação e Desenvolvimento.

THOMPSON, JD (1967). Organizações em ação. Nova Iorque, McGraw-Hill.

TRIVIÑOS, ANS (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais, São Paulo: Atlas.

WOOTEN, M .; HOFFMAN, AJ (2016). Documento de Trabalho Campos Organizacionais Passado, Presente e Futuro. O SAGE Manual de Institucionalismo Institucional. Amherst: [sn].

YIN, RK (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman.

FIGUEIREDO, PN (2001). Aprendizagem tecnológica e desempenho competitivo. Cheltenham, Reino Unido, Northampton, EUA: Edward Elgar. _____. (2003). Aprendizagem tecnológica e performance competitiva. Programa de pesquisa e aprendizagem tecnológica e Inovação Industrial. Revista de administração pública, v.3, n.2, p. 323-361. _____. (2004). Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para o desenho e implantação para os estudos empíricos e estratégicos no Brasil. Tradução de Luiz Alberto Monjardim, Rio de Janeiro, FGV. ______. (2015). Gestão da Inovação: Conceitos, métricas e experiências de empresas no Brasil, 2ed. Rio de Janeiro: LTC.

Conference registration is required in order to view papers.